Treino Indoor – Rolo Fixo ou Livre?

Imagem

Foto de divulgação

    Quando o atleta começa a ficar incomodado por perder um treino, por falta de tempo ou condições climáticas, é porque o negocio está ficando sério, e ai entra a necessidade de poder manter o treino em casa e junto com isto vem a dúvida sobre qual equipamento utilizar, a velha dobradinha ” E agora compro um rolo fixo ou um rolo livre, qual é melhor, quais as vantagens e desvantagens de cada um? “, bem não sou Expertno assunto, mas passei por isto, como muitos ciclistas e tive que tomar uma decisão, então segue um pouco da experiência que passei com estes equipamentos e façam sua escolha.

    O treino indoor é bem mais desgastante do que o treino normal, além de entediante também, o recomendado é que os treinos em rolo não ultrapasse 40min ininterruptos e seja feito em um ambiente bem arejado e com um ventilador na frente, deixe uma toalha a mão, em 10 minutos de treino moderado você estará pingando, pode encher a caramanhola você vai precisar, se for possível coloque um filme de ciclismo na TV ou computador que também ajuda bastante nos treinos.

    Para início de conversa, se você pretende usar uma Moutain Bike para treino indoor, então pode comprar o rolo fixo e ignorar o restante do tópico, a menos que opte por ter um jogo de rodas reserva com pneus slick, se seu treino será em uma Bike de Estrada (Speed) então o caminho é bem diversificado.

Vamos lá!

1 ) Rolo Livre

Imagem

Foto de divulgação

    O rolo livre consiste de 3 rolos, sendo que dois rolos atrás apoiam a roda traseira e uma polia com uma correia faz com que o giro de um dos rolos de apoio da roda traseira gire o rolo da frente, onde está apoiado a roda dianteira e desta forma permite que o ciclista  se equilibre sobre o equipamento, existem diversos modelos no mercado, a diferença básica ( além do preço) é que alguns modelos são feitos para permitir que o ciclista pedale em pé e faça simulação de sprints e os mais simples se o ciclista sprintar pra valer a bicicleta sai do rolo, pois não tem jogo para suportar as investidas do movimento de empurrar a bike para frente. Fora este detalhe são bem parecidos, nenhum dos que pesquisei tem regulagem de resistência, para simular subidas ou forçar mais o pedal é necessário colocar marcha mais pesada e para aliviar é só fazer o contrário.

    O primeiro contato com o rolo livre chega a ser desestimulante nos primeiros minutos, parece impossível equilibrar uma bicicleta nesta jeringonça, mas com um pouco de insistência e coragem em 10 minutos você já está equilibrando e em 3 treinos já dá pra tirar uma das mãos do guidão pra pegar água e toalha, alguns deslises ainda ocorrem mas não é perigoso, no máximo a bicicleta sai do rolo e para no mesmo momento (não, ela não sai andando sozinha a 30km/h pela sua casa, pode acreditar). Uma dica para iniciantes é colocar o rolo em um portal ou corredor para que seus ombros possam encostar em caso de desequilíbrio, desta forma dá mais segurança também, depois, com o tempo basta colocar próximo a uma parede, outra dica importante, acabei descobrindo sozinho muito tempo depois, é colocar um espelho na frente de modo que você tenha visão da roda nos rolos, assim fica bem melhor para evitar perder a bike e deixar sair do rolo.

    Os pneus devem estar com boa calibração, acima de 110 psi, abaixo disto o pneu deforma e o pedalar se torna muito pesado, por isto disse que para MTB é inviável, outro detalhe é que os pneus cravados da MTB fazem um barulho insuportável no rolo.

    A sensação de pedalar no rolo livre é bem próxima do treino na rua, a bicicleta fica solta, tem movimento, etc.. mas o tipo de equilíbrio necessário no rolo não me trouxe muitos benefícios, como alguns costuma afirmar, o fato de não ter regulagem de resistência, até o momento não tem feito falta, as trocas de marcha são suficientes para sugar bastante.

2) Rolo Fixo

Imagem

Foto de divulgação

    O rolo fixo é formado por um cavalete, onde a bicicleta é presa pela roda traseira, a bicicleta fica com a roda suspensa presa no cavalete, o rolo encosta na roda traseira e a pressão com que o rolo pressiona a roda é que dará a regulagem da resistência para pedalar. Neste caso também existem inúmeros modelos, que variam de preço, tipos de resistência (mecânica, fluido, etc..), e formas de ajuste, alguns tem uma alavanca com cabo que pode ser presa ao guidão ou quadro permitindo regular a resistência, outros exigem que o ciclista desça da bike para regular a resistência.

    Quanto ao tipo de resistência, a mais comum (e barata) é a mecânica, onde o ajuste é feito no próprio rolo por um parafuso que pressiona mais ou menos o rolo contra o pneu. Particularmente só testei este modelo, portanto, não sei informar qual tipo de resistência é mais vantajoso.

   O primeiro contato com o rolo fixo, ao contrário do livre, não oferece nenhuma dificuldade, é só prender bike ajustar a resistência e começar a pedalar. Este é uma vantagem, a outra vantagem é que você não terá dificuldade para tomar água ou se secar, dá até pra ler um livro ou revista enquanto pedala.

    Sobre a calibragem dos pneus, você deve manter a calibração correta (aproximadamente 110psi para Speed e 35psi para mtb), como a bike fica suspensa, não tem tanta deformidade do pneu como no rolo livre, o que permite usar a MTB, mas quanto ao barulho, continua sendo recomendado usar pneus slick, mas é menos barulhento do que o livre, afinal é um rolo só com atrito enquanto no livre são 3 rolos, isto se for usar pneus cravados, para pneus slick ambos tem o mesmo nível de ruído.

    A sensação é de estar em uma ergométrica, não tem muita emoção, mas o desgaste é o mesmo do rolo livre ou pior dependendo da resistência colocada, no rolo fixo também é possível colocar uma base na roda dianteira (um livro ou uma pilha de revistas) para elevar a bike e simular a posição de subida.

Conclusão Pessoal

    Como disse, tive que optar por um dos modelos e um detalhe que não gostei no fixo é que ao prender o roda traseira no cavalete, achei que força muito o quadro, ao soltar da para perceber o quadro voltando a posição normal, não sei até que ponto isto pode prejudicar o quadro ou se prejudica, mas fiquei um pouco incomodado, também achei muito monótono, sem emoção ficar pedalando no rolo fixo, em menos de 20 minutos eu já havia desistido, quando usei o rolo livre, além de não ter que perder tempo ajustando resistência e prendendo a bike, a sensação de estar solto com a bike foi decisiva, até hoje é um desafio subir no rolo e manter o equilíbrio, tomar água, etc… isto me motiva mais.

 Imagem

Foto de divulgação

Utilizo este modelo (foto acima): http://www.easyscroll.com.br/

Conclusão Final

    Bem, façam suas escolhas, apenas expus minha experiência, se pesquisar a fundo a grande maioria dos profissionais e técnicos indicam o rolo Fixo de Fluido, o argumento é que a regulagem de resistência é essencial para os treinos e o tipo Fluido deixa a resistência mais constante, sem variações. Existe um tipo de rolo fixo que deixa bike livre, acho que este é a perfeição, mas está fora do orçamento da maioria de nós.

    Para quem tiver curiosidade este é modelo considerado perfeito Rock & Roll trainer by Kurt Kinetic ( foto de capa do post)

    E este é um acessório para quem tem rolo fixo, pode simular um pouco a mobilidade da bicicleta na rua http://www.youtube.com/watch?v=u5CtNT2KEa8

Por: Átila Honori

Anúncios